• Dra Regina Chamon

Meditação ou Medicação?

É muito simples: sente-se num lugar aconchegante, em silêncio, coluna ereta, respire fundo, feche os olhos e pare de pensar. Pronto, você já está meditando! Mas, nem tudo o que é simples, é fácil! Você fecha o seu olho e manda a mente parar de pensar. Ai lembra que tem que comprar papel higiênico, será que fechei a porta?, parece que esfriou, mas quando eu for comprar papel higiênico vou aproveitar e comprar azeite, gente, esse cachorro não pára de latir!


Pois é, vivemos num mundo que solicita que a nossa mente trabalhe a cem por hora sem parar, que a nossa memória tenha muitos terabytes, e, no final, o que acumulamos com tudo isso é uma enorme carga de estresse. Nunca paramos para descansar o corpo, que dirá para descansar a mente! Como você já deve saber, isso faz o organismo ter uma enorme descarga adrenérgica, o que leva a aumento da pressão arterial, crises de pânico, depressão.



Assim, a ciência começou a investigar o porquê desse pessoal que medita conseguir se manter em um mundo doido, sem mergulhar nessa piração. Você já reparou no olhar de quem medita? Aquele sorrisinho iluminando o rosto… Olha que interessante essa série fotográfica publicada no site Hypeness que retrata pessoas antes e após a meditação.


Os benefícios da meditação para quem é ansioso, deprimido ou estressado são fáceis de imaginar, mas você sabia que atualmente existem estudos mostrando que a meditação pode ajudar em muitos outros aspectos da sua saúde?


Em 2012 um estudo da revista Thorax evidenciou um aumento na percepção da qualidade de vida de pacientes com ASMA que praticaram trinta minutos de meditação por dia, seis dias por semana, durante um ano. Estes pacientes, embora não tenham diminuído o número de crises, utilizaram uma quantidade muito menor de corticoide como medicação de resgaste.


Em 2014 a revista Headache publicou um estudo piloto mostrando que trinta minutos de meditação diária diminuem a frequência das crises de ENXAQUECA (cujo nome científico é Migrânea) e também a intensidade da dor durante as crises.


Em 2014 também foi publicado na Obesity Reviews um artigo que mostra benefícios da meditação no controle de distúrbios alimentares como a compulsão alimentar e a OBESIDADE.

Na área da gastroenterologia também há benefícios! O Journal of Chron’s and Colitis tem um artigo mostrando aumento na qualidade de vida de pacientes com DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL que praticam meditação.

Mas será que tudo isso tem bases fisiológicas? A Revista Neuroscience and Biobehavioral Reviews publicou em 2014  um artigo mostrando ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS em oito áreas do cérebro (córtex frontal, ínsula, hipocampo, cíngula e corpo caloso) de praticantes de meditação.





Claro que não estou dizendo para você parar de ir ao médico ou deixar de usar suas medicações e ficar apenas meditando. Veja bem, todos os artigos científicos aqui citados utilizam a meditação como  um COMPLEMENTO dos tratamentos médicos, INTEGRANDO corpo e mente para garantir uma vida mais plena.


O que quero te mostrar é que podemos utilizar uma ferramenta simples, que precisa apenas de treino, para melhorar a nossa qualidade de vida e assim ter uma atitude preventiva  diante da nossa saúde.


E, se nada disso funcionar, a prática já valeu apenas pelo fato de você ficar alguns minutinhos do seu dia curtindo você mesmo!


O conteúdo deste post não se destina a constituir ou ser um substituto para aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Procure sempre o conselho do seu médico ou de outro profissional de saúde qualificado para esclarecer quaisquer dúvidas que possa ter sobre uma condição médica. Nunca desconsidere o aconselhamento médico profissional ou adie sua busca por algo que você leu neste site.
23 visualizações

© Regina Chamon - Medicina Integrativa.