• Dra Regina Chamon

A crise, o medo e a realidade

Histórias são sempre boas maneiras de aprendermos, então começarei essa Newsletter com uma que ouvi esta semana, um conto da tradição sufi:  "Estava a Peste a caminho de Bagdá, quando encontrou Nasrudin. Este perguntou-lhe: - Aonde vais? A Peste respondeu-lhe: - A Bagdá, matar dez mil pessoas. Depois de um tempo, a Peste voltou a encontrar-se com Nasrudin. Muito zangado, o Mullah disse-lhe: - Mentiste-me. Disseste que matarias dez mil pessoas e mataste cem mil. E a Peste respondeu-lhe: - Eu não menti, matei dez mil. O resto morreu de medo.” Esta história nos mostra como podemos ser paralisados por algo que a princípio tinha a intenção de nos defender das ameaças: o medo. Quando estamos em situação de estresse existe uma área do nosso cérebro que se ativa, essa área é chamada de amígdala cerebral. A função dela é a gente ter uma resposta bem instintiva. Essa área faz parte do nosso cérebro primitivo. É ela que dispara, de forma muito, mas muito rápida mesmo, as alterações que fazem com que nosso corpo se adapte a uma situação de ameaça ou grande desafio.  Mas quando essa área é hiper-estimulada, como em tempos de crises importantes, quando circulam muitas notícias difíceis por todos os lados, ela  se torna o chefão do nosso cérebro, fazendo com que a gente fique com um comportamento muito guiado pela emoção, com uma mente reativa e pouco racional, gerando uma sensação frequente de  medo e insegurança.  Quando treinamos a nossa capacidade de atenção,por exemplo em práticas atencionais e na meditação, a parte do cérebro que passa a reger o funcionamento cerebral é uma área chamada de Lobo pré-frontal, que é a área mais racional, mais lógica. Nestas situações a gente deixa de operar apenas pelo instinto e passamos a operar por um modo mais racional, uma mente mais propositiva, que permite que a gente enxergue os problemas buscando a solução e não ficando travados no medo. Por isso é tão importante que a gente busque práticas que desenvolvam a nossa mente mais criativa/propositiva, assim, no lugar de apenas reagir às situações (principalmente as de grande desafio), podemos AGIR a partir de uma postura de raciocínio lógico, que permite que a gente se afaste desta onda de medo, tenha SERENIDADE para lidar com as situações e a partir disto podemos ter ações que não sejam apenas para a nossa proteção individual, mas sim ter atitudes que sejam boas para nós como indivíduos e também para nós como comunidade. De maneira mais prática: - procure não passar o dia todo vendo notícias desastrosas. É claro que é importante se informar sobre o que está acontecendo, mas você não precisa fazer isso a cada 2 segundos.Organize-se para ver as informações 2 vezes por dia e busque por fontes confiáveis. Em geral os sites de hospitais e do Ministério da Saúde são uma boa pedida.  - crie uma rotina para as atividades que você precisa fazer nos próximos dias. Quando conseguimos olhar com clareza o que precisamos fazer temos a sensação de um controle melhor das pequenas situações, o que "tranquiliza" nosso cérebro, pois ele consegue enxergar soluções. - lembre-se que é fundamental para a sua saúde física e mental manter momentos de lazer e relaxamento (lembra do Sistema Parassimpático, que eu sempre falo?). Use a sua criatividade para encontrar estes momentos nas coisas simples, que você pode fazer em casa mesmo. Jogar baralho com a família, retomar os jogos de tabuleiro e STOP (fiz isso este fim de semana e foi maravilhoso). Ou retome a leitura daquele livro que faz um tempão que você queria ler.  - quando você perceber que está ficando muito "grilado", perceba se o que está te preocupando é um fato real ou se são estas preocupações com o futuro que vão se agigantando na nossa imaginação e acabam virando um monstro (que de fato não existe). Uma boa maneira de "voltar para a realidade" é utilizando a sua respiração. Preste atenção no ar entrando e saindo e no movimento do abdome enquanto você respira. Faça isso por alguns minutos e veja se o monstro existe de fato. - e já que este é um momento que nos convida ao recolhimento, que tal rever quais as suas reais prioridades? Esta pode ser uma boa oportunidade para olhar carinhosamente para a vida e refletir sobre o que queremos manter e o que gostaríamos de mudar. - por fim: lave as mãos, evite sair desnecessariamente para lugares com muitas pessoas, mantenha uma alimentação mais natural (não há vitamina ou soro milagroso! é comida de verdade), movimente o seu corpo o máximo que você puder (de preferência em ambientes arejados) e cuide do seu sono.


E logo logo vou abrir uma turma para o programa SMART, um programa de 8 semanas em que em cada semana abordamos um tema referente ao manejo do estresse e treino da resiliência. Qualquer pessoa que se sinta afetada pelo estresse pode participar. Se você quiser saber mais sobre o programa, deixa seu contato aqui que aviso assim que as inscrições abrirem


0 visualização

© Regina Chamon - Medicina Integrativa.