• Dra Regina Chamon

Guia Prático de Meditação


Para boa parte das pessoas pode ser difícil ter vontade de meditar pois, assim como quando ouvimos a palavra advogado vem uma imagem na nossa cabeça, quando ouvimos a palavra Meditação é comum vir a imagem de um monge ou de um hippie.

E também ouvimos muito a associação de Meditação com palavras com frases como “ser um com o todo”, “estar no nada”, “esvaziar a mente”, “transcender”, e isso pode desestimular.

Mas se falarmos de Meditação não como um estado e sim como algo mais parecido com andar de bicicleta, ou seja, como uma técnica simples, que aplicada se com regularidade traz benefícios à saúde, e pode ou não levar a um estado mental diferente, já é algo mais próximo da nossa realidade.


E exatamente para que a gente consiga cultivar essa regularidade, trouxe algumas dicas:


  • CONFORTO

  • A postura é bastante importante para que a gente possa se sentir confortável. Não é necessário que a gente sente no chão, com as pernas cruzadas, pois essa postura não é natural para nós ocidentais nos dias de hoje e isso faz com que a nossa atenção fique voltada para a dor no joelho ou o formigamento nó pé, e não para o ponto que realmente importa. Assim, uma boa postura para praticar é sentar confortavelmente, com os pés apoiados no chão, ligeiramente voltados para fora, uma roupa confortável, que não aperte ou incomode, a coluna apoiada no encosto de uma cadeira, confortavelmente ereta (não precisa ficar sofrendo sem apoio para manter a coluna muito reta), as mãos apoiadas no colo ou no braço da cadeira, com s cotovelos formando um ângulo de aproximadamente 90 graus entre o braço e o antebraço. Se você é iniciante, evite fazer sua prática deitado ou com a cabeça apoiada, pois assim é muito fácil de o corpo relaxar e você dormir. Apesar de dormir ser muito importante para manter uma boa saúde, neste momento da prática nossa intenção é de nos mantermos acordados para treinar estarmos ao mesmo tempo atentos e relaxados.

  • Quanto ao ambiente, principalmente para quem está aprendendo a meditar, é importante ter um ambiente em que você se sinta confortável, com uma menor quantidade de distrações. Para isso procure praticar em um ambiente o mais silencioso possível, com uma luz agradável, assim como a temperatura. Se você gostar, pode acender uma vela ou colocar uma essência que te tranquilize, mas isso é apenas se você não gostar. Talvez você queira deixar o seu ambiente mais bonito, com uma imagem que você goste ou flores. O importante é que quando você tem um ambiente que te traz conforto e no qual você se sente seguro, isso permite que dentro de você também se crie um espaço seguro e assim você pode relaxar, sem maiores preocupações.

  • Muitas pessoas perguntam se podem colocar uma música para meditar. Não há nada que impeça deixar uma música ambiente, mas dê preferência a uma música com um ritmo mais tranquilo, como música clássica ou sons da natureza. E é importante que a música seja apenas um pano de fundo, que ela funcione quase que como um “amortecedor” para os sons externos como ônibus e ruídos da rua, mas que ela não prenda a sua atenção.

  • Pensando no tempo, nosso convite é para que você pratique em torno de 15 minutos por dia. Esse tempo é o tempo necessário para que ocorram as alterações do funcionamento interno do seu organismo, como relaxamento muscular, liberação de substâncias que melhoram a qualidade do sono, reduzem a ansiedade e também da regulação de funções automáticas do corpo como os batimentos cardíacos e o ritmo respiratório. Um outro fator que ajuda a tornar a Meditação um hábito é manter aproximadamente o mesmo horário de prática todos os dias. Assim seu organismo começa a entender que quando você se senta naquele local e naquele horário ele vai meditar e fica mais fácil e rápido acontecerem as mudanças corporais relacionadas a resposta de relaxamento. É como ensinar a uma criança o horário de dormir, fica muito mais fácil se você mantiver sempre a mesma rotina. É claro que se algum dia você não meditou no horário que está acostumado, você pode meditar em outro horário, afinal, o importante é ter uma regularidade na prática, torná-la diária.



  • DISCIPLINA

  • Apesar de estarmos criando um ambiente externo e interno confortável para que a gente se sinta seguro e possa relaxar, é fundamental que tenhamos disciplina, e essa disciplina tem dois aspectos. Um deles é a disciplina de praticar todos os dias, e para isso já vimos que manter um mesmo local e um horário ajudam a criar o hábito. O outro aspecto relacionado à disciplina encontra-se em se dispor a observar a orientação dada pelo aplicativo e manter o foco da sua atenção naquilo que foi proposto pelo áudio (pela técnica), como por exemplo observar a respiração, o ar entrando e saindo pelo nariz. É inevitável que a nossa mente se envolva em uma sequência de pensamentos, principalmente nos momentos de pausa, de silêncio. Afinal está é a função da nossa mente! Assim como a função do coração é bater, a função dos pulmões é respirar, a função da nossa mente é produzir pensamentos. A neurociência estima que a gente produz entre 30.000-50.000 pensamentos espontâneos ao longo do dia. Desta maneira, é impossível “limpar a mente” ou “Não pensar em nada”. Mas é possível diminuir o nosso envolvimento com a sequência de pensamentos. Para isso, quando nos percebemos envolvidos em uma sequência de pensamos, com gentileza nos permitimos soltar, largar, deixar ir embora essa sequência e retornar nossa atenção ao foco proposto, seja ele a respiração ou alguma sensação corporal.

  • PERMISSÃO/GENTILEZA

  • Sendo assim, não há necessidade de rigidez ou perfeccionismo durante a prática. É importante entender que é um processo de aprendizagem, e que, mesmo que você precise trazer sua atenção novamente para o foco inúmeras vezes, não há nada de errado nisso. Isso, na verdade, é meditar, essa é exatamente a parte importante do processo: perceber que sua atenção saiu do foco proposto, perceber que se envolveu em uma sequência de pensamentos, e gentilmente retornar a atenção ao foco. Quantas vezes for necessário. Devemos ter disciplina para praticar todo dia, mas uma vez que sentamos e começamos a prática é preciso ter gentileza.

  • LIBERDADE

  • Mantendo a regularidade na prática e com a instrução de uma técnica adequada, com o tempo você terá autonomia para meditar sem precisar nem mesmo de um aplicativo. Terá a liberdade para praticar a qualquer hora, em qualquer lugar e aproveitar os benefícios que a meditação traz para o equilíbrio do seu corpo, resultando em mais saúde e qualidade de vida

Livro Sugerido: Sentar Tipo Buda - Loro Rinzler, Editora Lúcida Letra

Curso: Meditação na Prática Clínica

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Dia 23 de janeiro é o Dia Internacional da Medicina Integrativa e como nem todo mundo sabe o que é, resolvi fazer um episódio aqui contando para vocês quais são os princípios que regem esse conceito,